Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Por mídia -> Poemas

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Cultura emergente por tipo de mídia -> Poemas 46 recursos (Editado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.)

AnteriorAnterior    recurso: 4 de 46    Seguinte

Este recurso se encontra também em:

Cultura: Ícones, símbolos e monumentos

Autor:

Zé Pinto

Título:

300 anos de Zumbi

A invasão chegou de barco
Nesta América Latina
Veio riscado da Europa
Este plano de chacina
Vinham em nome da civilização
Empunhando a espada
E uma cruz na outra mão.

Aqui encontraram vida
Aqui implantaram morte
Aqui encontraram flores
Aqui implantaram fogo
Aqui encontraram ouro
Aqui implantaram roubo.

E com batismo de sangue
Aqui implantaram crença
Eram as aves de rapina
Em louvor ao Deus Clemente
Nos pelourinhos da morte
Tanto sangue derramado
Pra mão-de-obra barata
Índio e negro escravizados.
Caçados como animais
Filhos arrancados dos pais
Se o negro não tinha alma
negro não era gente
Se negro não era gente
Era então mercadoria
Mas foi no pranto do desencanto
Que o negro aprendeu cantar;
Mas foi na penumbra da senzala
Que o negro aprendeu sambar;
Mas foi na raça da negritude
Que o negro aprendeu lutar.

São três histórias
Neste grande continente
Uma bem antes dos invasores chegarem
E a segunda cinco séculos de invasão
E a resistência índia, negra, popular.

E a terceira é que vamos construindo
Pra destruirmos a raiz de todo mal.

grito negro de ZUMBI
Vem dos Palmares
Em novos tempos
Pra romper a tempestade
Já com trezentos anos que se passaram
Ainda se ouve o eco
Liberdade, liberdade, liberdade!!!

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

YEARSOFZ514

Glossário

Compilado por Else R P Vieira. Tradução © Thomas Burns.

Palmares, Quilombo
"Para muitos revolucionários ..., a Primeira República Livre da América Latina. Nos fins do século XVI , por volta de 1590, revoltaram-se os escravos negros de um grande engenho de açúcar em Pernambuco. Armados de paus e foices, atacaram e dominaram amos e capatazes e partiram rumo à floresta. ...Por volta de 1650, viviam cerca de 20 mil habitantes no Quilombo, organizados coletivamente para o trabalho e a defesa. 0 líder mais importante de Palmares foi Zumbi, nascido em 1655, numa das aldeias do Quilombo e, quando jovem, capturado por soldados do governador de Pernambuco e dado ao padre de Porto Calvo, sendo batizado com o nome de Francisco. Em 1670, Zumbi fugiu da casa paroquial, voltou ao Quilombo de Palmares, onde se tornou um grande líder por sua cultura, coragem, capacidade de organização e comando. Cerca de 40 expedições foram empreendidas contra Palmares. A destruição de Palmares ocorreu com uma enorme expedição em 1694, provocando a morte de Zumbi no dia 20 de novembro de 1695. " (Calendário Histórico dos Trabalhadores. São Paulo: MST, Setor de Educação. 3a. edição, 1999, p. 38). V. ZUMBI DOS PALMARES. 

Zumbi dos Palmares
"Zumbi, líder da resistência negra no século XVII, quando se organizaram muitos quilombos em todo o país. Zumbi comandou o Quilombo de Palmares (Alagoas). Foi assassinado por tropas da Coroa Portuguesa em 1695" (Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999 nota 33 p. 63). V. PALMARES, QUILOMBO. 

Antologia de poemas
Uma seleção de primeira mão, inédita dentro e fora do Brasil. Uma poética militante; a importância social e política do cantador, a construção de um cânone da despossessão; a mulher sem-terra; o tema da morte como horizonte de vida; o projeto pedagógico.
Else R P Vieira

À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
Escola de Línguas Modernas
Universidade de Nottingham, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 02 / 16 / 2012

www.landless-voices.org