Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Estudos … -> Depoimentos de Intelectua …

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Estudos, depoimentos & referências -> Depoimentos de Intelectuais e Artistas 13 recursos (Compilado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.)

AnteriorAnterior    recurso: 2 de 13    Seguinte

Autor:

Oscar Niemeyer
(Arquiteto brasileiro. Prêmios nacionais e internacionais. Projetos arquitetônicos da Pampulha, de Brasília e das Nações Unidas, em Nova York (co-autoria).)

Título:

Monumento Antônio Tavares Pereira
(As vozes de um monumento (Texto de Else R. P. Vieira) Monumento, rodovia BR 277, estado do Paraná. Texto explicativo, As vozes de um monumento, sobre a estética e a resolução dos problemas sociais, de autoria de Else R P Vieira.)

Monumento Antônio Tavares PereiraAs formas livres deste monumento, com dez metros de altura, projetado pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer(1) em tributo às vítimas da violência no campo no Paraná, falam por ele e por um dos temas de sua arte, a busca de uma utopia estética para a resolução dos problemas sociais(2).

O monumento(3) está situado próximo à capital do estado do Paraná, no quilômetro 108 da rodovia BR 277. Este estado protagoniza, de várias formas, os problemas da terra no Brasil, a exemplo do desalojamento de 12.000 famílias quando da construção da Hidrelétrica Binacional de Itaipu, na sua fronteira com o Paraguai(4). Significativamente, o Paraná foi o palco do I Encontro Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rura,is Sem Terra de 21 a 24 de janeiro de 1984, quando o MST se formalizou como movimento nacional.

Cravado no local onde foi morto o líder camponês Antônio Tavares Pereira, o Monumento constitui um marco de mais um episódio de violência no campo no Brasil. Mas ele não faz ressoar os gritos dos que sob ele jazem nem os lamentos das Viúvas da Terra que em 2 de maio de 2001 fizeram sua inauguração oficial. A arte de Niemeyer no Monumento transcende os limites da realidade. Suas linhas apontam para um mundo novo, sem fronteiras, onde, espera-se, pela ação política e pelo trabalho, as mudanças sociais se concretizarão e melhores condições de existência se realizarão.

Assim se expressa sobre o Monumento o poeta e secretário executivo da Comissão Pastoral da Terra do Paraná, Gerson de Oliveira:

"(...) o braço erguido de camponês, lavrado no concreto branco, parece empurrar o monumento para o alto, para a liberdade, na força revolucionária que esses homens e mulheres carregam. O camponês é o próprio monumento. Uma coisa só. A foice, proibida, ferramenta do trabalho e símbolo de uma luta, está definitivamente na mão do trabalhador (...). [Niemeyer] devolveu ao homem a dignidade de seu trabalho. É assim que, na curva da história, o sem terra e o arquiteto têm um encontro para a eternidade(5)".

1 Nota do editor: Arquiteto brasileiro. Vários prêmios nacionais e internacionais. Conhecido pelo Complexo Arquitetônico da Pampulha em Belo Horizonte e, em especial, pelo projeto da catedral e dos edifícios governamentais de Brasília. Seus projetos fora do Brasil incluem a França, a Alemanha Oriental, a Argélia, Israel e Venezuela. Juntamente com Le Corbusier e outros sete arquitetos, planejou o edifício das Nações Unidas em Nova York.

2 Nota do editor: Tema ressaltado por D. K. Underwood (Oscar Niemeyer and Brazilian Free-Form Modernism. George Braziller Publishers, 1994), dentre outros.

3 Nota do editor: Monumento Antônio Tavares Pereira, projetado por Oscar Niemeyer. Foto de Douglas Mansur. Reprodução autorizada pelo MST de São Paulo.

4 Nota do editor: Fernandes, Bernardo Mançano e Stedile, João Pedro. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999. p. 44.

5 Nota do editor: "Monumento homenageia vítimas da violência no campo". InforAndes, maio de 2001, no. 105, p. 10.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

MONUMENT175

À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
Escola de Línguas Modernas
Universidade de Nottingham, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 02 / 16 / 2012

www.landless-voices.org