Vozes Sem Terra -> Imagens & Vozes -> Por mídia -> Poemas

English | Português

As Imagens e as Vozes da Despossessão: A Luta pela Terra e a Cultura Emergente do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)

Língua:

Português (change language to English)

Esta página:

Cultura emergente por tipo de mídia -> Poemas 46 recursos (Editado por Else R P Vieira. Tradução © Bernard McGuirk.)

AnteriorAnterior    recurso: 25 de 46    Seguinte

Este recurso se encontra também em:

Cultura: A mulher sem-terra

Autor:

Pedro Tierra

Título:

Nós todas

Nós somos os sangues convocados dos rios que nutrem o Continente.
Nós somos o ventre que pare os filhos dos homens e sua ferocidade.
Nós somos moldadas em borro e fulgor: a matéria da vida.
Nós somos quem perdeu os filhos como o grito agudo devorado pela sombra do silêncio.
Nós somos aquelas que vigiam os risos da insônia.
Nós somos as mães de cobre e cinza dos povos indígenas exterminados, sobreviventes.
Nós somos quem palmilha o pó da América buscando fantasmas e só encontramos ossos.
Nós somos quem buscou com tanto amor e tal fúria e dentes cerrados.
E esperança contra toda esperança que às vezes os encontramos um dia, ressuscitados como Abel, no Baixo Araguaia.(1)
Nós somos o grito que golpeia os janelas fechadas dos palácios.
Nós somos a mão que toca o manto da justiça que sempre nos escapa como miragem.
Com que nome batizamos nossa angústia?
Pureza, Isabel, Marta, Maria, Margarida, Roseli, Fáti­ma, Adelaide ...
Quem algum dia inquiriu as nascentes da dor ?
Carregamos pedras como penitentes e aprendemos com os olhos que as nascentes da dor vertem rios de lágrimas:
Claras cordas de cristal e corte.
Não somos apenas mulheres que choram. Somos fecundas.
Somos as mulheres que vão parir a vida, quando a morte vos alcançar.
Nós somos a multiplicação das lutas como a Terra multiplica o cercal plantado.
Somos plantio e colheita.
Somos a raiz da esperança.

1 Baixo Araguaia: Região junto à nascente do Rio Araguaia, que corta a maior parte das terras indígenas do país e onde ocorreu a Guerrilha do Araguaia. Em 1969, um grupo de guerrilheiros do PC do B, de linha maoísta, passou a viver da agricultura e a estabelecer relações com os camponeses da região, conscientizando-os da necessidade da luta contra os latifundiários e o governo. Os 70 guerrilheiros, acuados pelas tropas enviadas pelo governo para combatê-los, resistiram nas matas por mais de dois anos, sendo, todavia, derrotados, por uma expedição de 6000 soldados em 1975 (Mirossawa, 2001:101). Por ordem do Exército, seus corpos foram incinerados para que não restassem vestígios da Guerrilha na história. Dois guerrilheiros conseguiram escapar ao cerco. Todavia, um dirigente que sobreviveu foi posteriormente assassinado no que ficou conhecido como "A Chacina da Lapa". O outro sobrevivente é atualmente Deputado Federal pelo PT.

Data:

novembro de 2002

Recurso ID:

ALLUSWOM484

Antologia de poemas
Uma seleção de primeira mão, inédita dentro e fora do Brasil. Uma poética militante; a importância social e política do cantador, a construção de um cânone da despossessão; a mulher sem-terra; o tema da morte como horizonte de vida; o projeto pedagógico.
Else R P Vieira

À Universidade da página bem-vinda de Nottingham

Vozes Sem Terra, site hospedado pela
Escola de Línguas Modernas
Universidade de Nottingham, Grã-Bretanha

Coordenadora do Projeto e Organizadora do Arquivo: Else R P Vieira
Produtor do Web site: John Walsh
Arquivo criado em janeiro de 2003
Última atualização: 02 / 16 / 2012

www.landless-voices.org